sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Jovens já têm alojamento na 68ª Soeaa


Brasília, 2 de setembro de 2011.
Foi definido o local de alojamento para 500 estudantes que participarão do Fórum Jovem a ser realizado na 68ª Semana Oficial da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia (Soeaa), informou o coordenador nacional dos Creas-Juniores, Yuri Matos.
Os jovens ficarão no Centro de Educação, Eventos e Lazer (Ceel), localizado na Avenida Campeche, há 13,2 km de distância do Centro Sul de Florianópolis, local de realização do evento. Para conseguir uma vaga, os estudantes devem entrar em contato com o Crea-Jr do Regional e solicitar a reserva. Terá prioridade quem estiver com a inscrição paga. A taxa para estudantes é de R$ 150. De 26/9 a 1/10 os alunos podem se hospedar pagando R$30 na diária com direito a café da manhã.
Será oferecido transporte gratuito do alojamento para a Soeaa, aeroporto ou rodoviária. Cada quarto abriga até cinco estudantes, que devem levar roupas de cama e itens de higiene pessoal.
Também foi confirmada a presença do economista Gustavo Cerbasi que fará a palestra “A Virtude da Experiência” no Fórum Jovem.
Para Thayane Loer Santos Costa, aluna do 6º semestre do curso de Engenharia Florestal, em reuniões como essa, os estudantes sempre têm algo a aprender. “É muito proveitoso participar, pois pegamos as boas ideias de outras regiões e implementamos no nosso estado, como é o caso da criação do site para disponibilizar informações sobre os Creas e Creas-Juniores, convidando os alunos para o Sistema”, afirmou a representante de Sergipe.

Em reunião hoje, os representantes dos Creas-Jrs discutem a Regularização de Empresas Juniores; o atual Projeto de Normativo do Crea Júnior/Jovem, e o Projeto de Resolução que discrimina as atividades das diferentes modalidades de estagiários de Engenharia, Arquitetura e Agronomia.
Para inscrever-se na Soeaa, clique aqui.

Leandro Lisbôa
Assessoria de Comunicação do Confea


Postado:Pablo Santana,Coordenador Estadual do CREAjr-PI,Membro Dirigente de Engenharia Elétrica

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Construção civil concentra o maior índice de empresas de alto crescimento do País

A pesquisa Estatística do Empreendedorismo 2008 apontou que a construção civil é formada por 2,9% de empresas de alto crescimento (EAC), maior índice proporcional entre todos os setores. Das 131.308 empresas do setor, 3.770 são EAC. A construção civil é seguida pela indústria (2,1%), serviços (0,7%) e comércio (0,4%). Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Entre todas as EAC do País, o setor da construção fica em terceiro lugar, com 12,2% das empresas desse tipo. A indústria da transformação lidera com 27,4% do total de EAC, seguida pelo comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas com 26,4%. Com relação à concentração de empresas de alto crescimento no total de companhias com 10 ou mais pessoas no próprio setor, a construção lidera novamente, com 15,9% de todas as empresas.
                      Setor tem número elevado de companhias que aumentam suas contratações em pelo menos 20% ao ano, segundo o IBGE
A construção de edifícios é destaque de EAC: 6,5% de todas as empresas de alto crescimento são voltadas para essa atividade. Somente comércio varejista (15,6%) e comércio por atacado (7,5%) têm mais EAC.
De acordo com a pesquisa, 461.848 pessoas foram contratadas por EAC no período entre 2005 e 2008, representando um aumento de 188,1%. Ainda, a construção concentra 15,7% dos profissionais assalariados de EAC. Na questão salarial, as EAC pagam 22,2% menos que as outras empresas do setor. Ainda na análise setorial, 37% da receita líquida se concentram nas empresas de alto crescimento.



Fonte:http://www.piniweb.com.br/construcao/carreira-exercicio-profissional-entidades/construcao-civil-concentra-o-maior-indice-de-empresas-de-alto-228017-1.asp

Postagem: Pedro Henrique - membro de civil 

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O Brasil clama por engenheiros


Gabriela Ramos - O Povo, 27 de agosto de 2011 | 17h00



A necessidade por profissionais de engenharia de todas as áreas está cada vez maior. No Brasil, o número de formados está muito abaixo das demandas do mercado. O desconhecimento do perfil dos profissionais pode ser um dos motivos
Quem não tem ouvido falar que o Brasil está crescendo em um ritmo acelerado, necessitando cada vez mais dos profissionais de engenharia? Os próximos anos são promissores para engenheiros em diferentes áreas de atuação, porém, no mercado brasileiro, a carência desses profissionais é grande. Segundo o presidente do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea), Marcos Túlio de Melo, há uma demanda muito aquecida para todas as áreas da engenharia. Ele destaca a necessidade maior de mão-de-obra em setores estratégicos como construção civil e exploração de petróleo.
Como forma de tentar resolver a falta de profissionais, está sendo planejado um censo para localizar os engenheiros do País. O levantamento será fruto da parceria entre o Confea, o Ministério da Educação (MEC) e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Será observado onde os profissionais estão registrados, que atividades exercem e se eles estão deslocados da área de formação, segundo Marco Túlio. O objetivo é trazer quem está fora da área para o mercado. A parceria com o MEC é uma forma de articular os cursos de graduação e pós-graduação profissionalizante para a qualificação desses profissionais.
Segundo a presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Ceará (Senge-CE), Thereza Neumann, há falta de informações precisas sobre as demanda de profissionais. A partir do censo, ela destaca que o sindicato poderá potencializar a qualificação dos engenheiros, voltando-os para o mercado. “As empresas locais costumam querer que o profissional tenha experiência. É importante que elas tenham a visão de qualificar esses engenheiros de acordo com as necessidades específicas”, afirma. Ela também destaca que, como existem demandas novas, o censo será fundamental para um levantamento preciso.
Evasão
Responsável por onze departamentos de engenharia na Universidade Federal do Ceará (UFC), o diretor do Centro de Tecnologia, Barros Neto, afirma que, além da carência geral de profissionais no mercado, há uma evasão grande nos cursos. A justificativa dele e de alguns professores é a pouca bagagem dos alunos nas matérias-base dos cursos, que são matemática, física e química. Outra justificativa é que, nos primeiros dois anos dos cursos, as aulas são mais teóricas e quase nada práticas, o que pode gerar muitas desistências.
“O Brasil passou vinte anos parado e agora quer crescer, mas, para isso, precisa de engenheiro. Nesse período, a carreira na engenharia deixou de ser atrativa para os bons alunos, que foram para outros cursos”, diz. Como forma de diminuir a evasão, Barros diz que está sendo trabalhado o acompanhamento dos estudantes a partir das monitorias.
Apesar dos esforços, os atrasos para se graduarem e as reprovações nas disciplinas são constantes entre os alunos. Formado há nove meses em engenharia de materiais, Victor Torquato, de 24 anos, foi um dos quatro graduados da primeira turma do curso, que abriu inicialmente 40 vagas. Ele estagiou por um ano em uma empresa siderúrgica e, logo que conseguiu o diploma, foi contratado. “Eu ia fazer vestibular para engenharia mecânica, mas conheci o curso em uma palestra e me interessei. Pesquisei e vi que era uma área nova e com boas oportunidades”, diz.

Postado:Pablo Santana,Coordenador Estadual do CREAjr-PI,Membro Dirigente de Engenharia Elétrica

Interdependência nas engenharias: a atuação do engenheiro de produção na construção civil

Nos últimos dias tem sido freqüente a presença de engenheiros de produção no cenário das construções, reformas e afins da área da construção civil. Diversos anúncios de empregos para o setor, quando para cargos de gerência, exigem formação em engenharia civil ou engenharia de produção. Vamos nesse texto, discutir o que tem levado as empresas à contratação dos profissionais da engenharia de produção para essa área, que teoricamente em nada tem haver com os profissionais de engenharia de produção. Inicialmente, temos que esclarecer que, de acordo com o CREA/CONFEA (conselhos regional e federal de engenharia e arquitetura, respectivamente) os engenheiros de produção não têm nenhuma atribuição que os vincule à construção civil, e sendo assim, não podem ser responsáveis técnicos de quaisquer projetos. Devemos também ressaltar que, quando tratamos de engenheiros de produção, estamos excluindo os profissionais com formação em engenharia de produção civil. Os engenheiros de produção, os chamados “produção plena”, são profissionais com uma formação na gestão do negócio, cuidam do planejamento, controle e melhoria dos projetos (entenda projeto como um empreendimento), pois possuem uma visão holística do negócio. Já os profissionais da engenharia de produção civil, são profissionais que adquiriram em sua grade de formação, matérias gerenciais e técnicas, e, portanto, possuem a mesma atribuição dos engenheiros civis junto ao sistema CREA/CONFEA, isto é, são inclusos no artigo 7º da resolução nº 218 de 29 de Junho de 1973, a saber: Art 7º- Compete ao ENGENHEIRO CIVIL ou ao ENGENHEIRO DE FORTIFICAÇÃO e CONSTRUÇÃO: I. o desempenho das atividades 01 a 18 do artigo 1º desta resolução, referentes a edificações, estradas, pistas de rolamentos e aeroportos; sistemas de transportes; de abastecimento de água e de saneamento… Como falamos do assunto, os engenheiros de produção, são inclusos no Art 1º da resolução Nº 235 de 09 de Outubro de 1975, segundo CREA/CONFEA, como podemos ver abaixo: Art 1º- Compete ao ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO o desempenho das atividades 01 a 18 da resolução 218 de 29 JUN 1973, referentes aos procedimentos na fabricação industrial, aos métodos e seqüências de produção industrial em geral e ao produto industrializado; seus afins e correlatos. Embora tenhamos visto que os engenheiros de produção não têm vinculo como RT’s da construção civil, como já descrevemos, a atuação desses profissionais nesse mercado tem vivido franca expansão nos últimos tempos. A explicação para tal fato passa por dois pilares, em minha opinião. O primeiro, tem a ver com a demanda crescente por mão de obra qualificada que o setor da construção civil vive, haja vista o número de empreendimentos que tem sido lançados com prazos cada vez menores. O segundo, e talvez, o mais importante, diz respeito às competências que esses profissionais desenvolvem durante sua formação. Os engenheiros de produção, como já mencionamos, têm uma visão holística do empreendimento, e, portanto, conseguem visualizar grande parte, senão todo, do produto final desejado. Assim sendo, esses profissionais atuam no planejamento, controle e melhoria dos processos, na redução dos custos ao longo dos processos produtivos, na busca pela qualidade total ao longo da execução dos processos, na busca do desenvolvimento de uma cultura organizacional que esteja alinhada à estratégia da empresa, dentre outros. Especificamente no âmbito das construções, o cenário existente passa por inúmeros problemas com o cumprimento de prazos e orçamento, com um déficit cada vez maior de profissionais gabaritados, e como conseqüência, quase nunca, consegue-se satisfazer as expectativas dos interessados nos projetos, até questões em nível tático estratégico, pois na maioria das vezes, as empresas desse setor não possuem políticas que vislumbrem horizontes de médio e longo prazo, no que tangem aspectos como mão de obra, infraestrutura, etc. e esses problemas uma vez estratificados pelos engenheiros de produção vão sendo minimizados. Por fim, vemos que todos esses fatores discutidos acima, são problemas que os engenheiros de produção, transformam em oportunidades, uma vez que propõem soluções de melhoria para as empresas do setor de construção. É indiscutível que há muito que fazer no setor, e penso até mesmo, que o sistema CREA/CONFEA, deveria despender um olhar mais atento aos profissionais da engenharia de produção, permitindo por exemplo, que eles fossem autorizados a serem responsáveis técnicos pela execução e controle de projetos de construção e reforma, mas embasados na discussão proposta acima, conseguimos responder à pergunta levantada no inicio do texto.

Autor: Cleber Luciano Engº de Produção para o sithttp://engenharia.alol.com.br

Postagem: Pedro Henrique- membro de civil 

NOVIDADES NA SOEAA


Marina Silva confirma participação na 68ª SOEAA


Florianópolis, 31 de agosto de 2011.
Profissionais da área tecnológica de todo o País e do Mercosul estarão voltados para Santa Catarina de 27 a 30 de setembro, quando Florianópolis terá a honra de sediar a 68ª SOEAA – Semana Oficial da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia. A organização do evento já registrou mais de 1500 inscrições e aguarda por cerca de 3 mil profissionais e 500 estudantes. Hoje, 31.08 é o último dia para fazer a inscrição com valor reduzido, sendo R$ 100 para estudantes e R$ 350 para profissionais. Após esta data o valor será de R$ 150 e R$ 400, respectivamente.
A SOEAA terá na programação seis painéis relacionados ao tema central Pesquisa e Inovação: Conhecimento Profissional a Serviço do Desenvolvimento Sustentável, com a presença de diversos especialistas do Brasil e exterior, entre eles, a ex-senadora e ativista ambiental Marina Silva.


Clique na imagem e acompanhe a programação.

Representantes das comissões organizadoras nacional e regional (CON E COR) reuniram-se nos dias 29 e 30 de agosto, na capital, para definir os últimos preparativos para o evento. O encontro aconteceu no Centrosul e contou com a presença do presidente do Confea, Eng. Marcos Túlio de Melo, entre outros representantes do Confea, CREA-SC e Creas de outros estados do país. Também foi definida a compensação dos gases emitidos durante o evento através dos serviços de empresa especializada na emissão de créditos de carbono, bem como as atrações para a Feira Tecnológica.
Feira Tecnológica - Uma das maiores atrações do evento será a Feira Tecnológica, aberta ao público e com expectativa de 5 mil visitantes, com muitas inovações a serem apresentadas, entre elas as últimas tecnologias para a prevenção de catástrofes naturais, exposição de produtos desenvolvidos pelas empresas da área tecnológica no estado na área de energia, construção civil, saneamento, industrial, entre outros. A feira contará também com a presença de entidades, órgãos e empresas como a Fisenge, FNE, EBGE, Unisul, Tractebel, Eletrosul, Caixa Econômica Federal, Governo do Estado e Prefeitura Municipal. Novidades como a “Realidade Aumentada”, utilizada por empresas e profissionais de diversas áreas para a interação e divulgação de produtos e serviços, estará presente no stand do CREA-SC, reservando surpresas aos visitantes.
Fóruns Jovem, Pró-Equidade, Acessibilidade e das Entidades de Classe acontecem no dia 29.09
O dia 29.09 será reservado para realização de diversos eventos específicos tratando de temas pontuais como: O Fórum de Acessibilidade, onde o CREA-SC estará lançando Cartilha orientativa, o Fórum Pró-Equidade de Gênero, o 1º Fórum Nacional das Entidades Profissionais do Sistema Confea/Crea, o 8º ENEC – Encontro Estadual de Entidades de Classe, Fórum Jovem, entre outros.
As expectativas também são grandes em torno do Fórum Jovem que deve atrair para a 68ª SOEAA, mais de 500 estudantes dos cursos da área tecnológica de todo o país. A participação dos alunos será fundamental para aproximá-los e integrá-los às atividades do Sistema Confea/Crea bem como para enriquecer os debates em torno dos assuntos que estarão pautando o evento. Muitos estudantes que participarão da Semana são membros ou representantes do CREAjr, projeto do Confea já consolidado em 22 estados do Brasil, inclusive em SC, e em fase de implantação nos demais.
A atuação dos representantes do Crea Junior Nacional foi fundamental para definir a programação do Fórum Jovem, juntamente com a Comissão Organizadora Nacional (CON) e Regional (COR). Entre as principais atrações do Fórum Jovem estão um Talkshow de abertura com o tema Recursos Energéticos: Energia e Desenvolvimento Sustentável e os painéis: A Virtude da Experiência; Evolução Tecnológica no Brasil e CREA Júnior - Uma Nova Realidade.
Créditos de Carbono - A 68ª SOEAA terá compensação dos gases emitidos durante a realização do evento, através dos serviços de empresa especializada na emissão de créditos de carbono. “Queremos dar um exemplo da nossa real preocupação com o papel da área tecnológica na busca pela sustentabilidade”, pontua o Eng. Agr. Raul Zucatto, Presidente do CREA-SC.
Fonte: Assessoria de Comunicação do Crea-SC


Postado:Pablo Santana,Coordenador Estadual do CREAjr-PI,Membro Dirigente de Engenharia Elétrica

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Creas-Juniores participam de Curso de Formação Político-Profissional no Confea


Brasília, 30 de agosto de 2011
O Confea promove, nos dias 30 e 31 de agosto, a primeira edição do curso de Formação Político-Profissional realizado na sede do órgão, em Brasilia. O curso, ministrado por funcionários do Confea, é direcionado aos coordenadores e coordenadores adjuntos dos Creas-Juniores, coligados aos Sistema Confea/Crea, e tem como objetivo instruir os alunos sobre ética, legislação e políticas públicas, voltadas ao exercício da profissão. A carga horária é de 16h/a.

De acordo com o coordenador nacional dos Creas-Juniores, Yuri da Silva Matos, esse tipo de curso é importante, pois  tem linguagem objetiva e direcionada aos futuros profissionais. “É importante proporcionar maior conhecimento aos coordenadores dos Creas-Juniores e o curso é um ensino diferenciado prático-teórico sobre  ética  e legislação, que não se adquire na universidade”, informou.

Treinamento











Hoje, na parte da manhã, o tema da palestra foi “Jovens Líderes – desenvolvendo habilidades de liderança”. A gerente de Tecnologia do Confea, Maria Cristina Basili Duarte, foi a expositora. Entre vários aspectos, ela ressaltou a necessidade do autoconhecimento e da preparação para o exercício da liderança.

Questionada pelos participantes sobre como repassar as informações para outros colegas, ela destacou que a postura de liderança se depara com o desafio da mudança de paradigmas. Diante disso, a primeira coisa a fazer é agir, mudar de atitude. “É preciso discutir com os colegas e definir quais as melhores formas de assumir a liderança num processo de transformação que se fizer necessário”. Para ela, também é essencial focar nas necessidades específicas da cultura organizacional em que estiver inserido.

Leandro Lisbôa e Tânia Carolina Machado
Assessoria de Comunicação do Confea



Postado:Pablo Santana,Coordenador Estadual do CREAjr-PI,Membro Dirigente de Engenharia Elétrica.

Empreendedorismo Sustentável

CREAjúnior-PI em parceria com o CREA-PI,  promovem o 2º Encontro Estadual do CREAjr-PI voltado para o aperfeiçoamento dos, estudantes da Área Tecnológica e profissionais do Sistema CONFEA/ CREA/MUTUA/ENTIDADES e instituições afins deste segmento, através de palestras, mesas redondas, painéis que além de ressaltar, através de debates proporcionara a oportunidade da ampliação de conhecimentos o incremento e socialização de novas tecnologias; principalmente; no que tange ao meio ambiente e ao empreendedorismo.

O Encontro estadual também tem como objetivo o intercambio entre as profissões e os estudantes da área tecnológica dos demais Municípios do Piauí.
O evento acontecerá em Teresina no final do mês de Outubro.

Aguarde Mais informações.
Maiores informações: creajr@crea-pi.org.br

Postagem: Vanessa Carvalho (Membro Dirigente de Arquitetura e Urbanismo)

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Greve na UFPI III

Em reunião do Setor das Universidades Federais do ANDES-SN, realizada dia 25/08, a maioria dos representantes das seções sindicais presentes deliberou pela aprovação da proposta apresentada pelo governo no dia 19/08(das 31 seções sindicais presentes 19 foram a favor da assinatura do acordo com o governo; 09 contrárias; 03 se abstiveram) conforme as decisões das assembléias de docentes realizadas em todo o país entre os dias 22 e 24 de agosto.

O PROIFES realizou consulta às suas bases em todo o País, entre assembléias e plebiscitos (em urna ou eletrônicos), ouvindo 4246 professores, sendo que destes 3309 aceitaram a proposta e indicaram à entidade que assinasse o acordo, nos termos apresentados em 19/08.
Segundo o presidente da ADUFPI Mário Ângelo “A Assembléia Geral Extraordinária dos docentes da UFPI, realizada na quarta-feira (24/08), rejeitou a proposta do governo. Essa posição foi levada para a reunião do Setor das IFES em Brasília. Entretanto, o entendimento da maioria das assembléias docentes foi no sentido de que o ANDES-SN deveria assinar o acordo com o governo tornando sem efeito a decisão da assembléia da ADUFPI”.


Fonte
:http://www.adufpi.org.br/noticias/governo-federal-confirma-a-proposta-inicial-e-entidades-assinam-o-acordo
Postagem: Pedro Henrique-membro de civil 

domingo, 28 de agosto de 2011

CONCURSO NACIONAL DE IMAGEM


A Federación Panamericana de Asociaciones de Arquitectos e o Instituto de Arquitetos do Brasil, por meio da Alianza Inter Brasil Ltda, empresa responsável pela área de comunicação do XXIV CPA, torna público que estão abertas as inscrições para o Concurso Nacional de Imagens do XXIV Congresso Panamericano de Arquitetos (XXIVCPA).
Período: 15/08/2011 a 12/03/2012.

O Concurso premiará três imagens que farão parte das três etapas de comunicação do XXIV CPA, que será realizado em novembro de 2012 no Brasil, estado de Alagoas, em Maceió. A realização do concurso é voltada para arquitetos, ilustradores, designers, desenhistas, fotógrafos, imagemarkers e demais profissionais afins, estando aberta para a participação de toda a comunidade brasileira, domiciliada no Brasil, portadora de RG e CPF, que aceitem as condições estabelecidas no regulamento a seguir.

Maiores informações: CLICK AQUI

Postagem: Vanessa Carvalho