terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Pouca oferta de Engenheiros Ambientais aquece o mercado



Profissional fundamental para o planeta, o engenheiro ambiental comemora seu dia hoje, 31 de janeiro, data em que se graduou a primeira turma de engenheiros ambientais no Brasil, no estado do Tocantins. Pouca oferta de profissionais e muita demanda para universalização de serviços básicos, como saneamento, é a realidade da área.
Para a presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (entidade componente do Cden), Cassilda Teixeira de Carvalho, a situação econômica do país atualmente é propícia para universalizar os serviços de água e esgoto em todas as regiões brasileiras. “No momento em que a situação econômica permite universalizar serviços que são básicos, mais do que nunca vem a importância do engenheiro ambiental. O que precisamos é de tecnologia e inovação”, afirma. Para ela, recursos humanos em Engenharia Ambiental e tecnologia são essenciais para dar vazão à capacidade econômica do Brasil em universalizar os serviços básicos.
De acordo com dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), existem hoje no Brasil cerca de 205 cursos de Engenharia Ambiental e de Engenharia Ambiental e Sanitária. Segundo informações da mesma instituição, 3 mil profissionais dessa área se formaram em 2009. “Hoje temos uma demanda maior do que a oferta de profissionais. Por isso, trabalhamos pesado em reclassificação, capacitação e atualização. Sem dúvida alguma, nos próximos cinco anos teremos uma demanda grande”, informa Cassilda.
O curso de Engenharia Ambiental capacita estudantes para atuar no planejamento, na gestão e na tecnologia ambiental. Esse profissional projeta e acompanha a execução de infraestruturas, instalações operacionais e serviços de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, drenagem e manejo das águas pluviais urbanas e urbanização. Ele avalia e analisa os impactos ambientais de empreendimentos nos ecossistemas naturais e propõe ações de preservação, conservação e recuperação do meio ambiente.
Fonte:Assessoria de Comunicação do Confea.
Com informações: Unifor
Reportagem: Beatriz Leal
Postagem: Pedro Henrique

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Crea-PI inspeciona o Corso em Teresina

Representantes da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, SDU Centro-Norte e da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito - Strans, estiveram reunidos na manhã de hoje (17) com o presidente e assessores do Crea-PI, para discutir o projeto de trânsito e a estrutura de organização dos eventos carnavalescos de Teresina, a partir do tradicional Corso do Zé Pereira, previsto para o dia 11 de fevereiro.
Participaram da reunião, por parte do Crea-PI, o Eng. Civil Paulo Roberto Ferreira de Oliveira, presidente, o Eng. de Segurança do Trabalho Sandro Souza, e o Chefe do Departamento de Fiscalização Wolteres Alencar Miranda. Da parte da Prefeitura de Teresina estiveram presentes o Arquiteto Ênio Moita, da Fundação Mons. Chaves, Claudiana Carvalho, da SDU Centro-Norte, e Fábio Almeida, da Strans.
De acordo com o presidente do Crea-Pi, a reunião demonstra a preocupação da Prefeitura de Teresina com a segurança que deve haver em atividades de grande concentração pública, e serviu para esclarecer pontos importantes principalmente em relação ao trajeto do Corso do Zé Pereira, que este ano se estenderá por 8 km, e a fluidez do trânsito na ocasião, estimadamente entre 16h e 20h30m. O evento está marcado para o dia 11 de fevereiro, e a planta detalhando todo o percurso que foi apresentada hoje serve de ponto de partida para a fiscalização do Crea, que deverá ocorrer em dias próximos à realização do Corso. Neste ano, o percurso programado pela Prefeitura de Teresina terá início na Av. Higino Cunha, proximidades do Mercado da Piçarra, seguindo por toda a extensão da Av. Mal. Castelo Branco, contornando a rotatória desta com a Av. Duque de Caxias, retornando à área da Assembléia Legislativa.
Outro assunto tratado na reunião diz respeito à estrutura que será disponibilizada durante o Carnaval, que acontecerá entre os dias 18 e 21 de fevereiro, tendo como palco a Av. Marechal Castelo Branco, imediações da Assembléia Legislativa. Conforme as plantas apresentadas, haverá no local arquibancadas, camarotes para autoridades e cadeirantes, palco e espaço para até 60 barracas de comercialização de bebidas e alimentos. 
A fiscalização do Crea-PI deverá observar, além da segurança estrutural, elementos como os pontos de acessibilidade e iluminação. 
 Fonte: Assessoria de Comunicação - Crea-PI
Redator(a): Paulo Chaves
Postagem: Pedro Henrique