domingo, 20 de janeiro de 2013

Escassez de mão de obra qualificada transforma-se em oportunidade de mercado


Com o crescente número de canteiros de obras devido aos eventos mundiais de esportes e as grandes obras públicas, evidenciou-se a carência de mão de obra qualificada. De acordo com Sondagem da Construção Civil, pesquisa realizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), a falta de trabalhador qualificado tornou-se um problema estrutural para a indústria da construção civil no Brasil. A falta de funcionários técnicos ligados à obra, como encarregados e mestres de obra, é muito elevada: 92% das empresas têm dificuldade. Dentre as empresas que enfrentam falta de trabalhadores qualificados, 94% têm dificuldade de encontrar funcionários básicos, como pedreiros e serventes.

 Como o Senai, que forma operários da construção civil, não tem conseguindo atender à demanda,  começaram a surgir no país escolas particulares que capacitam operários da construção civil.  A Cimento Itambé, por exemplo, tem um programa de treinamento de mão de obra para a construção civil totalmente gratuito. O Timão (Treinamento de Mão de obra para a Construção Civil), que atende todos os segmentos da construção civil e universidades, é feito no próprio local de trabalho. Mais detalhes no site da Itambé (www.cimentoitambe.com.br).
Já o Instituto da Construção Formação Profissional, criado em 2011, é uma franquia de ensino profissionalizante para construção civil do país. Os alunos têm aulas práticas e teóricas e os cursos são aplicados em módulos para que se obtenha conhecimento geral de todas as fases da construção, desde o início da obra até a fase final, que inclui acabamento e decoração.  Saiba mais em www.institutodaconstrucao.com.br.

No Senai, o trabalhador ainda tem a oportunidade de se capacitar pelo Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) gratuitamente ou optar por cursos pagos. Para saber mais acesse: www.vocenaindustria.com.br.
Dados

Veja os números divulgados pela CNI e Senai:
  • Em cinco anos, o número anual de matrículas em cursos da construção civil nas Escolas Senai aumentou 90% .
  • Em 2007, eram 81 mil alunos. Já em 2011, subiu para 154 mil alunos.
  • Os cursos têm duração, em média, de seis meses a um ano. Os mais procurados são de pedreiro, mestre de obras, instalador elétrico e técnico em edificações.
  • Os cursos – nas empresas privadas – variam de R$ 130 a R$ 200
Fonte: Assessoria de Comunicação do Confea
Redator(a): Fernanda Pimentel 
Postagem: José Ilton